Pesquisar

Saúde Sociedade

Estresse Pós-Traumático: Relembre o Caso KamaSurra

Compartilhe
kamasurra

O estresse pós-traumático tem atingido cada vez mais pessoas. Essa é uma das doenças mentais que tem acometido quem sofreu algum tipo de trauma de atos violentos ou por terem presenciado alguma situação que ameace a vida. Portanto, seja com a própria pessoa ou por serem testemunhas de alguma violência, isso pode desencadear graves perturbações mentais.

Durante a Copa do Mundo de 2014, um termo para surgiu na mídia, o KamaSurra. Mas que espécie de “fetiche” é esse e qual a sua relação com essa doença mental?

No artigo de hoje vamos falar sobre o estresse pós-traumático e a sua relação com o KamaSurra. Continue acompanhando e entenda mais sobre esse assunto. Boa leitura!

O Que é Estresse Pós-Traumático?

Antes de falar sobre a relação do estresse pós-traumático e a sua relação com o KamaSurra, vamos explicar essa doença. Essa patologia é caracterizada como um transtorno de ansiedade, que possui um conjunto de sinais físicos e emocionais.

estresse pós-traumático
O estresse pós-traumático traz constantemente a lembrança do evento violento

O estresse pós-traumático, também conhecido como transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), é desencadeado quando uma pessoa é vítima ou testemunha de atos violentos ou algum tipo de situação traumática. Porém, essa situação é relacionada à ameaça à própria vida ou a de outra pessoa.

Portanto, quando uma pessoa recorda do fato, ela tem a sensação de estar novamente passando pela mesma situação traumática. Afinal, ela consegue sentir as mesmas dores e a sensação de sofrimento. Ao recordar, ela desencadeia alterações mentais e neurofisiológicas.

Sintomas

Não há idade para uma pessoa desencadear este transtorno. Portanto, basta somente ela sofrer algum tipo de trauma. No entanto, os sintomas desse transtorno podem levar meses ou anos para aparecer.

Os sinais desta condição podem ser agrupados em três grupos distintos:

  • Reexperiência traumática: são pensamentos recorrentes que levam a pessoa ao momento do acontecimento como flashbacks e pesadelos;
  • Isolamento social: nesse momento a pessoa começa a se isolar da sociedade, fugindo de situações, contatos ou atividades que envolva muita gente e possa ocasionar alguma lembrança do trauma;
  • Psicomotora e hiperexcitabilidade psíquica: são sintomas como sudorese, taquicardia, dor de cabeça, tonturas, dificuldade de concentração, falta de sono ou irritabilidade.

Para identificar a doença, primeiramente é importante saber qual é o agente que desencadeia qualquer tipo de sinal indicado acima. No entanto, esse transtorno pode ser confundido com crises de ansiedade.

Portanto, é importante contar com a ajuda de um profissional para que o diagnóstico seja feito corretamente. Afinal, além de saber identificar esse distúrbio, ele também vai orientar o melhor tipo de tratamento.

 Afinal, o que é o KamaSurra?

Durante a Copa do Mundo de 2014, que teve como palco dos jogos os estádios brasileiros, um termo ganhou notoriedade entre os ativistas. KamaSurra foi uma palavra dita em vários meios de comunicação, inclusive em grandes outlets da mídia internacional. Mas, você sabe o que ela significa?

kamasurra porrete
Poster do KamaSurra – Porrete Profundo

Existem pessoas que tem um fetiche estranho, de ver policiais batendo em manifestantes. Foi devido a esse gosto um tanto peculiar é que surgiu o movimento KamaSurra.

Mas ele nasceu com o intuito de alertar a população sobre a relação entre uma pessoa que bate e apanha. Porém, mais especificamente com o abuso policial contra os manifestantes de rua.

O termo foi criado pelos ativistas Gabriel Morais, Renato Botelho e Bruno Pereira. Eles resolveram fazer diversos posters visando expor essa relação violenta da polícia com os manifestantes. Porém, o intuito do projeto é conscientizar toda sociedade sobre os problemas que essas agressões podem ocasionar em uma pessoa.

Entretanto, vale uma ressalva: esse tipo de atitude policial é um ato ilegal. Conter atos de vandalismo é uma coisa, abusar da autoridade para agredir é outra completamente diferente e inaceitável.

Posters Originais

KAMASSURA – PELO FIM DO ABUSO POLICIAL NAS MANIFESTAÇÕES DE RUA



Qual a relação entre o estresse pós-traumático e o KamaSurra?

Agora que você já sabe o que é estresse pós-traumático e o que significa KamaSurra, vamos falar da relação entre eles.

Atos de violência contra manifestantes tem crescido no Brasil. De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a violência no Brasil tem números assombrosos em intervenções policiais para tentar conter manifestações.

Segundo o anuário de 2019, 11 a cada 100 mortes violentas foram ocasionadas por ações policiais. No entanto, as vítimas de policiais que tentaram conter algum tipo de protesto chegaram a 6.220. Esses são dados de 2018, uma vez que o anuário de 2020, com dados de 2019, não está disponível.

Com os números apresentados, podemos ver que o KamaSurra está mais presente do que nunca. Portanto, não foi somente na Copa de 2014 em que ele esteve vivo, pois a violência policial contra os manifestantes continua crescendo.

A seguir, infográfico sobre os números da violência em 2019 mencionados:

violencia em numeros 2019
Os números da violência no Brasil são assustadores

TEPT e KamaSurra 

A intenção do movimento do KamaSurra foi expor à sociedade os abusos de autoridade suas graves consequências. Quando não chega à morte, as pessoas que são vítimas de agressões provenientes de policiais podem ficar com sequelas para toda a vida ou desenvolverem o TEPT.

Afinal, a cena por qual uma pessoa passou marca a vida dela, de forma totalmente negativa. No entanto, uma vítima pode demorar a desenvolver os sintomas desse tipo de transtorno. Porém, há aqueles que ficam com sequelas físicas e apresentam sinais desta perturbação com mais rapidez.

É importante lembrar que todo cidadão tem o direito de se expressar. Portanto, as manifestações são um ato legal de a população mostrar a sua opinião sobre determinada atitude do governo. No entanto, em todo o território brasileiro, as passeatas e movimentos criados para defender uma causa acabam com diversas vítimas de agressão policial e, muitas vezes, em óbito.

kamasurra pimenta entrelacada
Poster do KamaSurra – Pimenta Entrelaçada

Manifestantes sociais pacíficos ficam cada vez mais reprimidos. Afinal, as suas ações com intenção de transformar a sociedade para melhor são invadidas por policiais que usam uniformes camuflados, equipamentos violentos para conter algo que, em muitos casos, não há violência.

Entretanto, esse tipo de atitude tem acometido diversas pessoas com o estresse pós-traumático. Afinal, pessoas enfrentam gás lacrimogêneo, balas de borracha (ou as de verdade), são espancadas e, em muitos casos, algemadas e presas. Portanto, toda essa situação gera marcas sérias em um ser humano. Esse tipo de violência, em muitos casos sem motivo aparente, deixa uma pessoa com traumas que podem ser irreversíveis.

O KamaSurra mostra que um ativista social que passa por esse tipo de situação vive com receio, com um medo constante de novas agressões. E o intuito desse movimento é conter essa ação violenta e abusiva da polícia.

Uma manifestação pacífica pode, em muitos casos, se tornar um ativismo angustiante e exposto à total violência. Mas as marcas não param somente em cicatrizes, pois o corpo e a mente podem refletir constantes reações.

O KamaSurra pede o fim do abuso policial nas manifestações de rua. Porém, acima disso, pede respeito com as pessoas para que elas não sofram com o estresse pós-traumático.

Quais são as Reações?

Segundo a 5ª edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, o trauma é uma exposição ou vivência do perigo de violência, morte ou ferimento grave. Portanto, isso ocorre quando alguém sofre, é testemunha ou toma conhecimento de algum acontecimento traumático.

Sendo assim, um manifestante social ou uma pessoa que presenciou o protesto viu o ato de violência, pode desencadear o estresse pós-traumático. Isso porque, em tese, a polícia é vista como um órgão que leve a segurança. Porém, nesse caso, ao usar o abuso de autoridade, acaba ocasionando desordem e fazendo várias vítimas.

No entanto, não é necessário estar presente no momento em que a violência ocorreu para gerar esse tipo de transtorno. A exposição à mídia, televisiva ou virtual, faz com que um vasto número de pessoas tenha acesso às imagens do momento da agressão. Isso pode desencadear sintomas de estresse pós-traumático em quem nem esteve no local.

Consequências

Portanto, estar exposto a notícias que só mostram violência, principalmente físicas, podem colocar a vida de qualquer um em risco. Afinal, a mente acaba sendo atacada, provocando medos e outros sintomas decorrentes desse distúrbio.

No entanto, o manifestante social, mesmo que não tenha sofrido nenhum tipo de agressão, pode apresentar sinais de estresse pós-traumático em longo prazo. Afinal, estão expostos a uma série de situações que não fazem bem ao seu corpo e nem a sua mente.

Sinais como enxaquecas, irritabilidade, hipertensão e problemas para dormir podem ser devido a esse transtorno mental. Especialmente as pessoas que tiveram acesso a situações em primeira mão. Os flashbacks costumam atormentar sua mente por um longo tempo.

O estresse pós-traumático e o KamaSurra fora do Brasil

Vale ressaltar que o problema do KamaSurra não é exclusivo do Brasil. Ações abusivas da polícia acontecem em todo o mundo, especialmente em momentos de protestos.

Ferguson

O caso de Ferguson, nos Estados Unidos, é um exemplo de pessoas que enfrentaram a represália da polícia em atos violentos e que deixou traumas em diversos manifestantes. Nessa fase estressante, várias pessoas foram diagnosticadas com estresse pós-traumático.

Caso Theo

Em Paris, também houve casos de abusos da polícia para conter manifestantes. O Caso Theo marcou as ruas da capital francesa e também a vida de muitas pessoas que participaram direta e indiretamente dos protestos.

Esses são somente dois exemplos de inúmeros que acontece em todo mundo. Ou seja, o KamaSurra deve ser espalhado para conscientizar também a população mundial.

O estresse pós-traumático traz consequências para a vida de quem é obrigado a conviver com esse tipo de transtorno. O alto índice de violência urbana tem feito a população conviver com diversos casos traumáticos.

Portanto, não somente os manifestantes sociais são atingidos com ações abusivas da polícia, mas toda a sociedade. Afinal, esse tipo de transtorno pode ser acometido por quem vivencia o ato de violência, por quem presencia outra pessoa ser abordada incorretamente ou em quem sabe da notícia de forma sensacionalista.

Vale lembrar que todo o ser humano tem uma estrutura para lidar com situações adversas e, até mesmo, estressante. Entretanto, há limites para isso. Afinal, dependendo da gravidade da situação, o funcionamento psíquico fica perturbado.

Uma pessoa que não está acostumada a ver esse tipo de cena em seu dia a dia, pode levar um grande impacto. Isso pode não ter um sintoma na hora, mas vir a desencadear com o passar dos anos.

3,6% da população diagnosticada com estresse pós-traumático. E vale lembrar que não existe um grupo de risco específico para esse transtorno. Portanto, qualquer pessoa e independente da idade podem ser acometidas com esse distúrbio.

Tratamento do Estresse Pós-Traumático

É importante ressaltar que ao primeiro sintoma de estresse pós-traumático é válido buscar ajuda médica. No entanto, antes disso, é necessário identificar qual é o agente causador de todo o trauma.

O profissional irá orientar corretamente o tratamento. Mas lembre-se que nem toda crise de ansiedade está relacionada a esta condição. O objetivo do tratamento para esse distúrbio é:

  • Diminuir os sintomas do estresse;
  • Prevenir complicações;
  • Melhorar o desempenho da pessoa em suas atividades do dia a dia;
  • Aperfeiçoar os relacionamentos com família, amigos e sociedade, pois a pessoa que tem estresse pós-traumático normalmente se isola;
  • Tratar sintomas que podem levar ao paciente a desenvolver um quadro mais grave de depressão.

Conclusão

É necessário que a polícia reveja a sua forma de atuação em situações de manifestação para que os ativistas sociais não sejam acometidos com esse tipo de doença. Todavia, é importante salientar que há casos em que as autoridades precisam intervir como, por exemplo, quando um protesto tem ato de vandalismo.

No entanto, em passeatas e protestos pacíficos e para reivindicação do direito da população, não cabe uma ação tão violenta. Esse tipo de ato atinge a vítima, quem observa a situação e quem recebe a notícia do fato, que muitas vezes é gravado na íntegra. As imagens, em alguns casos, são extremamente perturbadoras.

Casos de estresse pós-traumático têm crescido a cada dia. Isso em função da sociedade violenta na qual vivemos. O propósito do KamaSurra deve ser espalhado como forma de alerta para toda sociedade, não somente brasileira, mas de todo o mundo.

Evitar consumir notícias sobre tragédia, pode fazer muito bem para a sua saúde mental. Não ter contato com essas situações, que infelizmente tem se tornado mais rotineira, evita esse tipo de transtorno.

O KamaSurra quer alertar a sociedade que atos violentos podem gerar mais do que um estresse pós-traumático. As consequências acompanham a vítima por toda a vida.

E você, o que acha sobre isso? Deixe o seu comentário.

Diego Rubel, Psicólogo

Psicólogo clínico com um longo histórico pessoal de tratamento da dor: tendinite do joelho, síndrome de ATM e, mais recentemente, alguma dor no ombro que ainda não tive a chance de descobrir o que é! Estudante de ioga há muito tempo, recentemente estive pesquisando os mecanismos de alívio da dor e hábitos para uma vida mais saudável e gratificante.

  • 1

Deixe seu Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *