Pesquisar

Saúde Mental Sociedade

Coronavírus, Pandemia e Trauma

Compartilhe
pandemia e trauma

Existe uma relação entre pandemia e trauma que precisa ser trazida à luz. Em tempos de pandemia viral, adentramos em uma experiência que conflitua com o indivíduo em sua vivência de sofrimento/prazer individual. E na pós-modernidade, sabemos da importância da imagem e do investimento narcísico como possibilidade de existência. Elas permitem que nós, presos em nossas neuroses particulares, possamos viver uma realidade mais ou menos controlada.

O Problema: O Isolamento Limita o Indivíduo

Dito isso, a formação de subjetividades no mundo neoliberal, constrói um sujeito que aspira sempre mais e mais, e que não compreende uma falta, uma limitação. Em certa medida os sistemas neuróticos e políticos tentam afastar o mal-estar.

Mal-estar esse, nos lembra Freud, marca de nossa condição de humanos diante daquilo que não podemos controlar por um lado (como a força da natureza) e aquilo de instinto que devemos abdicar de satisfazer pelo conviver com o outro (como a pulsão de destruir). Essa tentativa de afastar o mal-estar produz uma miragem que camufla o mundo como de fato ele é: sua completa impossibilidade de ser controlado.

Estar sozinho ou com o outro num momento em que algo de magnitude social paralisa nossa narrativa subjetiva, pode se tornar uma experiência completamente enriquecedora para nosso narcisismo, para o que o senso comum chama de “egoísmo”, pois então devemos sair de nosso drama pessoal, para se movimentar em prol da 1) sobrevivência 2) que se dá somente a partir da via da solidariedade e da compreensão do Outro, do mundo, para além de nossa própria realidade.

Pandemia e Trauma

O trauma produz uma marca. E toda marca pede por uma elaboração, pois toda marca quer gerar uma mudança. Covid-19 pode gerar e já gera uma mudança na mentalidade adoecida de nós humanos nesse contemporâneo neoliberal.

A epidemia nos lembra de nossa finitude, de nossas limitações e impotências e de que como não vale nada ficar preso aqui, em nossas neuroses individuais. Como diz o ditado, uma hora “a água bate na bunda”, e aí vemos que energia psíquica e saúde mental investida no social vale mais que ser gasta no consumo da imagem e do capital.

A Solução Social

É momento dessa energia ir para o social. Sair então de nossos dramas pessoais para algo maior, para a sobrevivência em comunidade, para um momento sanitário e higiênico socialmente crítico que compreende a interdependência com o outro (incluída aí a natureza) e não a exclusão desse outro pregado pelo discurso higienista do sistema capitalista e neoliberal. Eis aí uma crise sanitária, social e econômica de um mundo que quer ser pós-humano. 

Michel Petrella

Psicólogo de orientação psicanalítica que disponibiliza sessões de psicoterapia para adultos. As sessões podem ser presenciais na cidade de São Paulo ou à distância para quem mora fora, seja pelo Brasil ou exterior. Atualmente além de trabalhar em consultório particular, desenvolvo trabalhos de consultoria, cursos e palestras em relação à Saúde no Trabalho, Psicopatologia, Teoria Psicanalítica e planejamento e gestão de projetos terapêuticos e psicossociais de média/alta complexidade.

  • 1

Deixe seu Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *