Pesquisar

Saúde

Como Fortalecer o Sistema Imunológico

Compartilhe
sistema imunológico

O sistema imunológico, imune ou imunitário é responsável por proteger o organismo contra a ação de micro-organismos e tumores através de células e órgãos que o compõe.

As células do sistema imune são capazes de detectar agentes infecciosos, diferenciando-os dos tecidos do próprio organismo e destruindo-os. Dessa forma esse sistema ajuda a evitar doenças e mantém o corpo funcionando normalmente.

Neste artigo você vai saber mais como funciona o sistema imunológico, as células e órgãos que fazem parte dele, assim como manter sua imunidade fortalecida.

Sistema Imunológico Humano

A imunidade é a capacidade que nosso corpo tem de nos proteger contra agentes infecciosos e tumores. Essa proteção se dá através do sistema imunológico que rapidamente reconhece células e substâncias estranhas, destruindo e neutralizando micro-organismos invasores.

O sistema imune atua com grande eficiência, pois pode diferenciar as células do corpo das invasoras, assim proporcionando uma defesa eficiente.

Quais são as funções do sistema imunológico?

As funções do sistema imunológico são: reconhecer e defender o organismo contra a ação de agentes patógenos através das células e órgãos que o compõe.

Como funciona o sistema imunológico?

O processo de defesa do corpo através do sistema imunológico é conhecido como resposta imune. Essa resposta é essencial, pois garante que o corpo desenvolva ou não uma doença, assim como determina sua duração.

Há dois tipos de resposta imune, a inata e a adquirida.

Imunidade inata

É a resposta imune que é natural de todo ser humano, isto é, que ele já obtém desde o nascimento. Essa resposta se dá através de barreiras biológicas, químicas e físicas.

Entre as principais barreiras do nosso organismo estão:

  • Cílios: impedem a entrada de pequenas partículas dentro dos olhos e até mesmo pequenos insetos;
  • Pele: maior barreira protetora do corpo contra micro-organismos causadores de doenças;
  • Lágrima: limpa, lubrifica e protege o globo ocular de infecções;
  • Plaquetas: atua na coagulação do sangue quando nos ferimos, assim evita que fiquemos sangrando;
  • Muco: fluido que impede que micro-organismos entrem no sistema respiratório;
  • Saliva: ajuda a lubrificar a boca e a protegê-la contra micro-organismos que possam penetrar os órgãos do sistema respiratório e digestivo;
  • Suor: ajuda a pele a impedir a penetração de fungos;
  • Suco gástrico: líquido produzido pelo estômago que ajuda a digerir os alimentos e a impedir a multiplicação de micro-organismos.

Também fazem parte da imunidade inata as células de defesa como neutrófilos, leucócitos e macrófagos.

  • Neutrófilos: são células que realizam a fagocitose (processo em que a célula digere partículas estranhas).
  • Leucócitos: também conhecidos como glóbulos brancos são as principais células de defesa do corpo, sendo produzidas pela medula óssea e migram para diferentes partes do organismo.
  • Macrófagos: células que invadem as regiões infectadas e realizam fagocitose.

Caso a imunidade inata não seja suficiente para combater micro-organismos entra em ação a imunidade adquirida.

Imunidade adquirida

Também conhecida como adaptativa ou específica esse tipo de resposta imune como o nome já diz é adquirida ao longo da vida, conforme temos contato com agentes patogênicos.

Esse tipo de imunidade contém mecanismos que ajudam as defesas do corpo a evoluírem, assim agindo de acordo com o micro-organismo invasor.

Faz parte da imunidade adquirida os linfócitos, que são células especializadas que podem atuar de duas formas: por imunidade humoral ou por imunidade celular.

  • Imunidade humoral: atua por meio dos linfócitos B que reconhecem os micro-organismos infectantes.
  • Imunidade celular: atua por meio dos linfócitos T que colocam em ação o mecanismo de defesa mediado por células.

Os linfócitos B detectam agentes patógenos e se transformam em células maiores, chamadas de plasmoblastos. Estas se multiplicam e formam centenas de células chamadas de plasmócitos.

Cada plasmócito produz e libera moléculas proteicas de imunoglobinas (anticorpos), as quais tem a capacidade de identificar e aderir a cada estrutura portadora dos agentes patógenos que foram detectados pelos linfócitos B.

Por outro lado os linfócitos T têm como função formar clones de linfócitos específicos para combater os agentes patógenos que são identificados a cada ataque, lançando-os na circulação.

Quais são as células e órgãos que compõe o sistema imunológico?

O sistema imunológico é um sistema complexo, sendo composto por várias células e órgãos.

Células

Entre as células que fazem parte do sistema imunológico estão: leucócitos, linfócitos e macrófagos.

Leucócitos

Os leucócitos como já mencionamos são os conhecidos glóbulos brancos, as células que realizam as principais ações de defesa do organismo. Essas células são produzidas na medula óssea e circulam pelos vasos sanguíneos, dirigindo-se para diferentes partes do corpo.

Os glóbulos brancos podem ser divididos em dois tipos: granulócitos e agranulócitos.

Os granulócitos tem esse nome, pois quando são submetidos a determinados corantes, apresentam grânulos que se coram de forma específica. Já os agranulócitos não apresentam esses grânulos.

Entre os granulócitos temos: neutrófilos, eosinófilos e basófilos.

  • Neutrófilos: atuam envolvendo as células doentes, destruindo-as;
  • Eosinófilos: atuam contra infecções de parasitas e processos alérgicos;
  • Basófilos: agem em processos alérgicos, liberando heparina no sangue.

Entro os agranulócitos temos: linfócitos e monócitos.

  • Linfócitos: são classificados em linfócitos B e linfócitos T. Os linfócitos B se diferenciam em plasmócitos, que são células que produzem anticorpos, enquanto que os linfócitos T se dividem em duas classes CD8 (mata as células infectadas) e CD4 (atua ativando outras células).
  • Monócitos: realizam fagocitose. Eles são conhecidos como macrófagos quando invadem regiões infectadas.

Órgãos

Os órgãos do sistema imunológicos são divididos em dois tipos: órgãos imunitários primários e secundários.

Órgãos imunitários primários

Os órgãos imunitários primários têm como função produzir os linfócitos, entre eles temos: a medula óssea e o timo.

  • Medula óssea: é um tecido mole que se encontra no interior dos ossos. É nesse local que são produzidos os leucócitos, assim como as hemácias e as plaquetas.
  • Timo: é uma glândula que se encontra na cavidade torácica. Ela é responsável por proporcionar o desenvolvimento dos linfócitos T.
Órgãos imunitários secundários

São os órgãos em que se inicia a resposta imune. Entre os órgãos imunitários secundários temos: linfonodos, baço, amígdalas, apêndice, intestino, brônquios e fígado.

  • Linfonodos: também conhecidos como gânglios linfáticos são pequenos órgãos que estão espalhados por todo o corpo seguindo o trajeto dos vasos linfáticos. Sua função é realizar a filtragem da linfa (recolhimento de antígenos), eles também contêm linfócitos B e linfócitos T.
  • Baço: tem quatro funções diferentes, entre elas o armazenamento de hemácias, destruição de hemácias velhas, alteradas ou parasitadas, filtragem do sangue e retenção de organismos patógenos e ainda a colocação dos linfócitos B e T em contato com os agentes patógenos.
  • Amígdalas: também chamadas de tonsilas são formadas por tecido linfoide e se encontra ao redor da entrada da faringe. Tem como função controlar os invasores que entram pela boca.
  • Apêndice: pequeno órgão linfático que se encontra no cólon e tem grande concentração de glóbulos brancos.
  • Intestino e brônquios contêm uma camada de folículos linfoides que estão cheios de linfócitos e reagem contra agentes patógenos.
  • Fígado: abriga fagócitos e produz proteínas imunitárias, ajudando a controlar invasões intestinais.

Como os anticorpos atuam?

Como mencionamos anteriormente os anticorpos são produzidos pelos plasmócitos. Eles são sintetizados quando ocorre a exposição a um agente patógeno.

Os anticorpos tem uma estrutura que se parece com um Y, sendo formados por quatro cadeias polipeptídicas, sendo que duas delas são maiores e as outras duas são menores.

Eles atuam se ligando a um antígeno, assim inativando-os através de alguns mecanismos como aglutinação, facilitação da fagocitose e neutralização.

Algo interessante de saber é que um anticorpo apenas reage com o antígeno que causou sua produção, sendo criado propriamente para combatê-lo.

O que acontece quando o corpo é invadido por um agente patógeno?

Quando um agente patógeno invade o corpo, as primeiras células a agirem são as apresentadoras de antígeno, como os macrófagos. Essas células realizam a fagocitose e avisam o restante do sistema imunológico sobre o antígeno.

Após ocorrer a apresentação os linfócitos T reconhecem os agentes patógenos e começam a se proliferar. Eles liberam substâncias que estimulam os linfócitos T e B.

Os linfócitos B se diferenciam em plasmócitos, começando a produzir anticorpos que inativarão os antígenos.

Durante todo esse processo o sistema imunológico forma células de memória. Essas células irão agir caso o mesmo agente patógeno invada o organismo novamente, podendo sobreviver por vários anos.

Assim quando o corpo é invadido pelo menos agente patógeno o sistema imunológico tem uma ação mais rápida.

É por essa razão que as vacinas foram criadas e são tão eficazes, pois como possuem um agente causador de determinada doença, faz com que o sistema imune seja ativado e produza as células de memória, assim em caso de uma nova invasão a infecção pode ser evitada.

Sistema Imunológico Baixo

Consideramos que o sistema imunológico está baixo quando sua resposta imune não é muito eficiente e assim a pessoa fica doente.

Há várias razões para o sistema imunológico estar fragilizado como uma má alimentação, uma vez que o organismo necessita de vitaminas e minerais para fortalecer o sistema imune.

Outra razão pode ser alterações hormonais, pois podem prejudicar o funcionamento das células do sistema imunológico. Isso pode acontecer durante a segunda fase da menstruação, em que os níveis de progesterona aumentam e assim acaba inibindo o sistema imune das mulheres.

Outras razões são o uso de medicamentos imunossupressores, consumo de bebida alcoólica, excesso de atividade física, distúrbios do sono, estresse prolongado, quimioterapia, genética e algumas doenças como a AIDS, a diabetes, câncer e alguns tipos de anemia.

Quais são os sintomas de sistema imunológico fragilizado?

Entre os sintomas de sistema imunológico fragilizado que podem ser reconhecidos estão:

  • Febre e calafrios;
  • Cansaço excessivo;
  • Náuseas, vômitos ou diarreia;
  • Doenças mais leves que ficam graves, como a gripe, por exemplo;
  • Herpes;
  • Infecções no ouvido;
  • Infecções respiratórias frequentes;
  • Perda ou ganho de peso;
  • Queda de cabelo e unhas fracas;
  • Meningite e encefalite;
  • Estresse;
  • Deficiência de vitaminas;
  • Depressão;
  • Pele fragilizada suscetível a ferimentos.

Como tratar o sistema imunológico baixo?

Para tratar o problema é preciso consultar um médico, que solicitará exames de sangue para analisar sua saúde e assim indicar o melhor tratamento para o seu caso.

Fortalecendo o Sistema Imunológico

O que é bom para fortalecer o sistema imunológico?

Para deixar o seu sistema imunológico alto você deve tomar algumas medidas para melhorar sua saúde, entre elas:

  • Beber muita água: a água tem várias funções no organismo como atuar em reações químicas, controlar a temperatura do corpo e transportar nutrientes. Por isso ela é essencial para o nosso corpo e devemos beber uma quantidade de água recomendada (dois litros) ao dia.
  • Cuidar de sua alimentação: você deve comer alimentos que contêm nutrientes essenciais para nosso organismo como vitaminas e minerais que podemos encontrar em frutas, legumes e verduras. Entre os alimentos que ajudam a fortalecer o sistema imune estão morango, tomate, gengibre, iogurte natural e semente de girassol.
  • Cuidar de sua higiene: ter uma boa higiene não tem ação para a melhora do sistema imunológico, mas ajuda a evitar infecções e doenças, pois elimina micro-organismos patógenos. Por isso é sempre bom lavar as mãos antes de comer e após ir ao banheiro, higienizar os alimentos e tomar banho todos os dias.
  • Praticar exercícios físicos: é importante praticar exercícios físicos, pois eles ajudam a aumentar a quantidade de glóbulos brancos e promovem uma melhor qualidade de vida.

Quais São as Doenças do Sistema Imunológico?

Há ocasiões em que o sistema imune pode reagir contra o próprio organismo e atacar e destruir tecidos saudáveis, nesse caso são provocadas as doenças do sistema imunológico, também conhecidas como doenças autoimunes.

Existem mais de 80 tipos de doenças do sistema imune, entre as mais conhecidas, temos:

  • Vitiligo;
  • Lúpus;
  • Diabetes tipo 1;
  • Doença de Graves;
  • Esclerose Múltipla;
  • Hepatite autoimune;
  • Psoríase;
  • Doença de Chron;
  • Tireoide de Hashimoto;
  • Artrite reativa;
  • Doença celíaca;

O vitiligo, por exemplo, é uma doença de pele que provoca a perda gradativa da pigmentação da pele, provocando manchas em todo o corpo. A doença pode afetar pessoas de diferentes tons de pele, mas é mais percebida em quem tem a pele escura.

Essa doença não representa risco à vida da pessoa, mas afeta a autoestima, podendo provocar problemas psicológicos como a depressão.

Por outro lado, a diabetes tipo 1 ocorre quando o sistema imunológico começa a destruir o pâncreas, o que prejudica a produção de insulina e causa sintomas como perda de peso, vontade de urinar, fome, cansaço e visão turva. O tratamento é realizado através da reposição de insulina.

Já a esclerose múltipla é uma doença que afeta o cérebro, pois o sistema imunológico ataca a mielina, que é a bainha protetora que cobre os nervos. Isso faz com que haja interferência na comunicação entre o cérebro, medula espinhal e outras regiões do sistema nervoso central.

Assim podendo causar a destruição dos próprios nervos, sendo um processo irreversível. Em casos graves a pessoa pode perder a capacidade de falar e andar.

Não existe cura para a doença, sendo que o tratamento apenas ajuda a controlar e diminuir o desenvolvimento da doença.

A doença celíaca é provocada pela intolerância ao glúten, que é uma proteína encontrada nos cereais. Essa intolerância ocorre devido ao sistema imunológico atacar o glúten, assim agredindo a mucosa intestinal e causando inflamação local, atrofia da mucosa do intestino e má absorção de sais minerais, nutrientes e água.

Entre os sintomas que a doença celíaca causa, estão: como dor de barriga, diarreia e gases. O tratamento se dá através da retirada do glúten da alimentação da pessoa, que deve seguir uma dieta rigorosa por toda a vida.

Como são causadas as doenças autoimunes?

Essas doenças geralmente são causadas quando o sistema imunológico não é capaz de diferenciar os agentes patógenos dos tecidos saudáveis do corpo, assim atacando-os e destruindo as células normais do organismo.

Não se conhece as causas dessas doenças, mas existe uma teoria que é a mais aceita de que fatores externos tenham relação com as doenças autoimunes, especialmente quando há predisposição genética e o uso de medicamentos.

As doenças autoimunes tem cura?

Infelizmente não, o que se pode fazer é controlar a doença através de tratamento.

Existe alguma forma de prevenir as doenças autoimunes?

Não, pois como foi visto sua causa é desconhecida e o que se pode fazer é apenas tentar identificar a doença no início e seguir o tratamento para controlá-la.

Como você viu neste artigo o sistema imunológico é essencial para a proteção do organismo contra agentes patógenos como bactérias, vírus, fungos e até mesmo células tumorais.

Esse sistema atua através da resposta imune que pode ser inata (que temos desde o nascimento) ou adquirida (que adquirimos através do contato com antígenos).

São várias as células que atuam no sistema imune, sendo as principais delas os leucócitos, também conhecidos como glóbulos brancos, que tem como papel matar agentes infecciosos, células infectadas e comandar outras células para que o sistema imune possa atuar contra a invasão de agentes patógenos.

O sistema imunitário também é composto por órgãos que tem um papel importante na proteção do corpo como a medula óssea e o timo que produzem leucócitos e linfócitos T, respectivamente.

Quando o sistema imune está baixo nosso corpo fica mais suscetível a doenças, por isso é necessário fortalecê-lo através de hábitos saudáveis como uma boa alimentação, ingestão de água, prática de exercícios físicos, entre outros.

Também pode acontecer do sistema imune atuar de forma errada e provocar a destruição de tecidos saudáveis, assim causando as doenças autoimunes. Infelizmente essas doenças não tem cura, mas podem ser controladas através de medicamentos.

Ter um sistema imunitário funcionando corretamente é essencial para que seu corpo se mantenha protegido e assim você tenha uma boa qualidade de vida.

Fontes:

https://www.biologianet.com/anatomia-fisiologia-animal/sistema-imunologico-humano.htm

https://www.unimedfortaleza.com.br/blog/alimentacao/como-manter-imunidade-alta

https://blog.drconsulta.com/baixa-imunidade-o-que-ela-gera-e-como-solucionar-esse-problema/

Diego Molina

Psicólogo clínico com um longo histórico pessoal de tratamento da dor: tendinite do joelho, síndrome de ATM e, mais recentemente, alguma dor no ombro que ainda não tive a chance de descobrir o que é! Estudante de ioga há muito tempo, recentemente estive pesquisando os mecanismos de alívio da dor e hábitos para uma vida mais saudável e gratificante.

  • 1

Deixe seu Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *