Pesquisar

Saúde

Sua Dor é Única: Reflexão Sobre a Subjetividade da Dor

Compartilhe
subjetividade da dor

Embora o título possa sugerir o contrário, tentaremos não filosofar muito. A dor sempre faz parte de nossas vidas de uma forma ou de outra, e parece até absurdo considerar se ela é real ou não. Infelizmente, todos sabemos muito bem que a dor será uma “companheira” de viagem, então é importante que saibamos conviver com ela.

Por que a Dor é Subjetiva

Em nosso dia-a-dia, a dor geralmente é percebida como pertencendo principalmente ao campo da medicina. Mas as coisas ficam um pouco menos óbvias quando levamos em consideração que a dor não pode ser facilmente mensurada ou quantificada . A dor tem dimensões físicas e psicológicas que variam muito de um indivíduo para outro: e é exatamente por esse motivo que a dor tem uma natureza subjetiva.

“A dor é tão elementar quanto o fogo ou o gelo. Como o amor, ele pertence às experiências humanas mais básicas que nos tornam quem somos. ”.

Morris 1993, 1, em SpringerLink

A dor é sempre uma sensação subjetiva. Portanto, ela pode ser avaliada somente pela descrição do próprio paciente, bem como pela presença de suas manifestações não verbais. Para esclarecer a causa da dor, vários exames são prescritos – laboratoriais e instrumentais, incluindo tomografia computadorizada, ressonância magnética e eletroneuromiografia. Mesmo assim, antes disso, na fase do exame e na ausência de um diagnóstico, a síndrome da dor requer tratamento imediato.

A Ciência tem Dificuldade em Entender a Dor

A dor é um conceito difícil de entender para a ciência. Apenas o pensamento de usar experimentos repetitivos em humanos para testar diferentes graus de dor é surreal. Também não pode ser simplificada como sendo apenas um sinal para o cérebro: “Ela também tem uma dimensão ontológica e uma existencial“.

Embora a dor seja incrivelmente real e tangível, é inacreditável como sua intensidade e dureza podem ser subjetivas e individuais. As implicações para os pacientes e os clínicos gerais são muito importantes: é obviamente inadequado questionar e subestimar a dor do paciente.

Durante o exame, o médico precisa esclarecer não apenas a natureza da dor, mas também a área ou os órgãos afetados, fatores que provocam seu surgimento, hora do dia em que se manifesta, posição do corpo e o que lhe proporciona alívio da dor. Vale perguntar quais medicamentos o paciente toma, incluindo analgésicos, e com que rapidez e eficácia eles agem.

Como Avaliar a Intensidade da Dor

Além disso, é muito importante avaliar a intensidade e a natureza da dor regularmente, em cada consulta de rotina ao médico e, de maneira independente, no diário da dor, onde o paciente pode preencher escalas de dor diariamente, indicar como os medicamentos prescritos ajudaram . Se for impossível para o paciente fazer isso por qualquer motivo (inclusive devido a comprometimento cognitivo), você precisará confiar isso a parentes ou cuidadores. Além de avaliar o nível de dor, também é importante uma avaliação do humor do paciente, da presença de depressão e de distúrbios do sono, uma vez que esses estados podem agravar a intensidade da síndrome da dor.

No entanto, a intensidade relatada da dor pode não corresponder diretamente ao verdadeiro dano físico, motivo pelo qual devemos considerá-la cuidadosamente e não subestimar a natureza subjetiva da dor.

Tags:
Diego Rubel, Psicólogo

Psicólogo clínico com um longo histórico pessoal de tratamento da dor: tendinite do joelho, síndrome de ATM e, mais recentemente, alguma dor no ombro que ainda não tive a chance de descobrir o que é! Estudante de ioga há muito tempo, recentemente estive pesquisando os mecanismos de alívio da dor e hábitos para uma vida mais saudável e gratificante.

  • 1

Você Também Pode Gostar

Deixe seu Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *